01 outubro 2009

Eu, jornalista 1

Aproveitando o embalo, vou fazer uma série de postagens sobre o jornalismo em geral. Minhas opiniões e minhas perspectivas em relação a essa carreira tão bonita e tão complexa. Pontos positivos e negativos, na visão de um pré-estudante de jornalismo.

Nesta primeira postagem, gostaria de deixar claro as grandes mentes que me fizeram escolher essa profissão. São profissionais extremamente brilhantes, como Antônio Abujamra, Heródoto Barbeiro, Caco Barcellos, Maria Lydia Flandoli, Marcelo Tas, Fernanda Young, Diogo Mainardi e tantos outros gênios que ficaria horas citando.

Não acredito que um jornalista tem que ser nem que ele consegue ser imparcial. Quero exercer essa profissão de modo que eu consiga influenciar a opinião das pessoas. Pensar que a imparcialidade existe em qualquer imprensa do mundo é uma visão extremamente romantica pra mim.

Alguns de meus sonhos profissionais é, um dia, ser entrevistado pela fantasticamente inteligente Fernanda Young e pelo gênio Antônio Abujamra; trabalhar na revista Veja ou no programa Profissão Repórter; deixar minha marca, assim como todos os citados acima deixaram. Sonho em fazer um jornalismo diferente, um pouco fora dos padrões normais. Será que estou sonhando demais? Talvez. Mas se eu não virar um apresentador sensacionalista ou um repórter de celebridade, já será meio caminho andado.

Obs1 - Na foto, Ernesto Varella, vulgo Marcelo Tas.
Obs2 - Duas postagens seguidas... incrível hein!!

1 Comentários:

Erica disse...

Tem saudade que é gostosa de sentir. O jeito é fazer as pazes com ela. O "mas sou pontual" voltou! Eu havia deixado de lado, mas faz diferença. Obrigada pelo toque! Vc lembrou do Varela ai... olha me formei em 2002, antes desse sucesso todo dele no cqc e escolhemos o Tas como paraninfo. Muitos de nós foi fazer jornalismo pq cresceu assistindo o repórter Varela.